Logotipo da Polícia Civil do Estado do Rio de Janeiro Logotipo do Facebook Logotipo do Twitter Logotipo do Instagram Logotipo do YouTube

PCERJ em Ação

Operação contra milícia de Itaboraí tem 43 presos

Fotos: Divulgação

ASCOM - Assessoria de Comunicação
04/07/2019 12h25 - Atualizado em 05/07/2019 17h09

A Secretaria de Estado de Polícia Civil, por meio da Delegacia de Homicídios de Niterói, São Gonçalo e Itaboraí (DHNSGI), realizou, nesta quinta-feira (04/07), a Operação Salvator, para cumprir 74 mandados de prisão e 93 de busca e apreensão contra a milícia que atua em Itaboraí, na Região Metropolitana do Rio. A ação terminou com o cumprimento de 43 mandados de prisão, sendo que 25 acusados já encontravam-se presos.

A investigação revelou que a organização criminosa, comandada por Orlando Oliveira de Araújo, o Orlando Curicica, que está preso, é responsável por vários casos de homicídios, torturas, extorsões, desaparecimento de pessoas e cemitérios clandestinos. O grupo chegava a lucrar cerca de R$ 500 mil por mês ameaçando moradores e comerciantes de Itaboraí. Entre os presos de hoje estão os autores da chacina que deixou 10 mortos no dia 20 de janeiro na cidade.

O inquérito levantou que a quadrilha tinha funções definidas, como donos do negócios, líderes, gerentes, os responsáveis pelas mortes, recolhedores, soldados e olheiros. Segundo a DHNSGI, o grupo é responsável por pelo menos 50 homicídios na região, ocorridos desde janeiro de 2018. Muitas das vítimas estão desaparecidas.

Entre os envolvidos estão cinco policiais militares, quatro ex-PMs e dois advogados. O PM Fábio Nascimento de Souza, conhecido como China, foi preso em casa, em Rio Bonito. Apontado como homem de confiança de Orlando Curicica, ele trabalhava na UPP Borel, na Tijuca, Zona Norte do Rio.

A ação de hoje teve o apoio da Coordenadoria de Recursos Especiais (CORE), do Grupo de Atuação Especial de Repressão ao Crime Organizado (GAECO) do Ministério Público e da Corregedoria da Polícia Militar. Ao todo, cerca de 300 policiais civis e 40 PMs participaram da operação. A Secretaria de Estado de Administração Penitenciária (Seap) também participou do trabalho, no cumprimento de buscas nas celas dos acusados presos.