Logotipo da Polícia Civil do Estado do Rio de Janeiro Logotipo do Facebook Logotipo do Twitter Logotipo do Instagram Logotipo do YouTube Player

Notícias

Força Tarefa da Polícia Civil prende traficante Cachorrão, um dos líderes do tráfico de drogas na Rocinha

Fotos: Divulgação

ASCOM - Assessoria de Comunicação
10/11/2017 19h01 - Atualizado em 10/11/2017 19h01

O traficante Alberto Ribeiro Santanna, conhecido como Cachorrão, líder do tráfico na Rocinha ao lado de Rogério Avelino da Silva, o Rogério 157, foi preso, nesta sexta-feira, por agentes da DCOD, DRF, DRFC, DRFA, 35ª DP, 11ª DP, CORE e do SAER, que compõem a Força-tarefa do Departamento Geral de Polícia Especializada (DGPE) da Polícia Civil.  O criminoso foi localizado no interior de uma casa na comunidade do Fallet, em Santa Teresa.

De acordo com o subchefe operacional da Polícia Civil, Fernando Albuquerque,  a  prisão do Cachorrão  mostrou a excelência no trabalho de inteligência desenvolvido em conjunto entre as delegacias especializadas e da capital para prender todos os traficantes envolvidos na disputa pelo controle do tráfico de drogas na Rocinha, que teve início no dia 17 de setembro deste ano. 

- Após diversas tentativas, hoje tivemos êxito em realizar essa importante prisão. É essencial ressaltar a importância do trabalho da Polícia Militar e das Forças Armadas na Rocinha para que a Polícia Civil tenha êxito nas ações, tanto na parte operacional como investigativa. Avaliou Fernando Albuquerque.    

O diretor do Departamento Geral de Polícia Especializada, Marcelo Martins,  disse que a prisão do traficante ajudou na desarticulação de uma das facções que tentam se manter na liderança do tráfico de drogas da comunidade.

Segundo o delegado Felipe Curi, titular da Delegacia de Combate às Drogas (DCOD), Cachorrão é considerado o cérebro da organização criminosa e responsável por toda aquisição de armas, munições e drogas na Rocinha. A liderança na comunidade era dividida entre Cachorrão e Rogério 157, sendo que este último tinha uma função mais operacional, cuidando dos braços armados na favela.
 ​